Por influenciadores de verdade e vidas realistas na internet
Reflexões

Por influenciadores de verdade e vidas realistas na internet

Você está em casa, descansando depois de um dia ou semana intensa de trabalho, tentando esquecer um pouco os problemas e resolve abrir suas redes sociais para dar uma espiada no que está acontecendo com seus amigos ou influenciadores preferidos por aí.

O que você vê é uma enxurrada de fotos na praia, fotos de pessoas viajando pelo mundo, textos do tipo “largue tudo e vá viajar” ou “largue seu emprego e faça o que você ama”, pessoas sorrindo e parecendo ter a vida mais perfeita que se pode imaginar. A sua distração acaba se tornando uma tristeza profunda, muitas vezes por achar que todos estão felizes, menos você… ou por crer que todo mundo tem tudo de bom na vida e você nem sempre pode ter tudo isso.

As redes sociais andam contribuindo – e muito – para a depressão das pessoas que vivem se comparando umas com as outras, fazendo com que ela se sinta menos importante e especial ou dando a impressão de que a nossa vida está sendo desperdiçada por não conseguirmos largar tudo pra trás para viajar o mundo ou largar um emprego que a gente não ama para correr atrás dos nossos sonhos.

 

 

Nessas horas, nós raramente paramos para pensar que o que vemos na internet nem sempre é a realidade. Que no Facebook ou Instagram, todo mundo só quer mostrar as partes boas da vida, as viagens legais e os momentos de felicidade. Raros são os que se abrem e mostram um dia difícil, uma doença que incomoda ou reclamam da falta de dinheiro, por exemplo. Isso é normal e aceitável para pessoas que usam as redes como hobby, mas…

E quando estamos falando dos tais “influenciadores”? Pessoas que, supostamente, trabalham “influenciando” pessoas a comprarem determinados produtos ou irem a determinados destinos, mas que colocam seu rosto nas redes sociais apenas contando o lado bom das coisas sem nunca citar nada de errado. Pessoas que dizem que todos os destinos são maravilhosos e perfeitos, quando na realidade a viagem pode ter dado totalmente errado e acontecido um monte de problemas. Gente que indica produtos e serviços horríveis como se fossem a melhor coisa do mundo, apenas para cumprir com seus contratos ou ganhar comissões, sem nunca pensar que podem estar lesando aqueles que acompanham seu trabalho e compram o que você indica.

Ninguém vive viajando 365 dias por ano. Nem todas as viagens dão 100% certo. Nem todo produto/serviço que se vê sendo indicado vale a pena e é tão bom quanto alguns influenciadores dizem ser. Nem toda “dica de amigo(a)” é verdadeira, a maioria é apenas publicidade escondida. Nem toda vida de expatriado é perfeita e cheia de clichês. Nem todo mundo pode ou consegue largar sua vida para correr atrás de seus sonhos.

Precisamos de mais realidade na internet, principalmente no mundo dos “influenciadores digitais”. Precisamos de mais vida real, depoimentos não-perfeitos, pessoas imperfeitas. Temos que parar de mostrar uma vida que não existe e de achar que todos têm uma vida melhor que a nossa.

As redes sociais devem servir como distração e meio de informação, nunca como um agravante para uma doença que já faz tão mal para tanta gente ao redor do mundo. Nunca como forma de comparação e para nos entristecer.

Que tal todos fazermos a nossa parte por uma vida mais real na internet?


VOCÊ PODE GOSTAR

Veja também

Depressão pós-viagem: quando a viagem acaba, mas você não consegue superar

turistas que vão te irritat

10 tipos de turistas que vão te irritar: não seja um deles!

o glamour de se morar fora

Você pensa que morar fora é puro glamour? Não é não, mon amour!

vida em Londres

Vida em Londres: os prós e os contras

o que fazer em pequim

5 cidades que todo mundo ama… Menos eu!

Disqus shortname is required. Please click on me and enter it

06 Comments

  1. Tallitha

    Maravilhosa! Eu ando refletindo muito sobre esse tema e teu texto foi um achado.

    19/07/2019 Responder
    • Luiza Ferrari

      Isso me incomoda demais na internet, principalmente como uma “influenciadora” (detesto esse termo) que sempre fala o que pensa, mesmo que joguem pedras e me encham a paciência.
      Anda tudo muito falso por aí, né?

      20/07/2019 Responder
  2. Carolina Belo

    EXCELENTE reflexão! Parabéns por levantar esse assunto tão importante!
    Abraços,
    Carolina

    15/03/2019 Responder
    • Luiza Ferrari

      Obrigada pelo comentário, Carolina 🙂
      Abraço!

      18/03/2019 Responder
  3. Luciana

    CONCORDO plenamente! E acho que hoje em dia o mercado está cego pra isso. As marcas que desejam influenciar vão atrás APENAS desses perfis influenciadores da falsa realidade e ignoram perfis menores que muitas vezes estão fazendo um trabalho lindo e realista. Nos, leitores e influenciados, temos que valorizar esses perfis mais “a nossa car”!! Quem sabe a coisa muda. Como eu tbm escrevo sobre viagens, tento sempre mostrar a real, já tive cia arte que me tratou como lixo e falei a real. Já tomei balão de Transfer e mostrei!! Já achei um horror ir em determinadas atrações e contei. Acho que é nossa obrigação falar a realidade.

    11/03/2019 Responder
    • Luiza Ferrari

      Não fiz o texto nem pensando nisso de “perfil pequeno” ou “grande”.
      Falo sobre mostrar a REALIDADE das coisas, não só a parte boa de tudo ou enganar as pessoas falando que algo é bom quando na verdade não é. Tem perfis pequenos e grandes nas redes sociais que fazem trabalhos excelentes, assim como os que trabalham na base da enganação. Não é questão de números e sim de princípios, sabe.

      Eu também sempre falo a verdade tanto aqui quanto no Instagram… e muitas vezes sou crucificada e o povo me ofende por isso. Mas é o meu trabalho e eu não me importo. 🙂

      18/03/2019 Responder

LEAVE A COMMENT